A separação entre pais e filhos na hora da atividade

Paulo Penha de Souza Filho
24/09/2020



A SEPARAÇÃO ENTRE PAIS E FILHOS NA HORA DE UMA ATIVIDADE



@psicologodoesporte.paulopenha


É crescente a procura de pais pelo aconselhamento e acompanhamento de um Psicólogo Esportivo no processo de desenvolvimento de seus filhos e, os problemas mais comuns estão na hora da separação entre pais e filhos em diversas situações, como na escola, em viagens dos pais ou na hora da prática esportiva.


Na maioria das vezes, os pais querem realmente que seus filhos tenham maior autonomia e consigam executar algumas atividades sozinhos, mas em muitas ocasiões, com a justificativa que os amam muito, não conseguem e acabam os prendendo demais, não os deixando fazer nada sozinhos e isso acarreta em  problemas comportamentais sérios em seus filhos, como por exemplo, gritos, choros, xingamentos e a indisciplina.


Estes comportamentos são muitas vezes vistos como birra, “manha” e assim por diante. Para piorar ainda mais a situação, vemos pais que como resposta a estes comportamentos, ao invés de imporem limites aos seus filhos, acabam cedendo aos seus caprichos, às vezes fazem isso conscientemente apenas para não terem “dor de cabeça”, mas na maioria das vezes por puro desconhecimento, achando que estão fazendo o melhor para seus filhos.


Para os técnicos, essa prática pode acarretar muitas vezes altos índices de indisciplina, atletas sem limites, problemas de falta de controle, entre outras possibilidades e desta forma não conseguem ter a adesão destes atletas, que acabam por prejudicar o grupo como um todo. 


Antes que os pais queiram mudar o comportamento de seus filhos, eles devem observá-los. A tarefa dos pais é achar um meio de não reforçar a conduta indesejável e de fortalecer as condutas positivas. Devendo pensar num comportamento que irá substituí-lo positivamente.


Lembrando que não conseguirão mudar o comportamento em uma única tentativa, é necessário que haja persistência. Isso significa que os pais deverão ser constantes e firmes em suas colocações e quando o comportamento inadequado ocorrer, seja qual for a situação, não poderão reforçá-los, por mais que se sintam inclinados a ceder não deverão fazê-lo. Deverão mostrar o que é correto, que são firmes, que sabem o que estão fazendo e o que é melhor para os seus filhos.



Estou à disposição para tirar qual dúvida no whatsapp (41)991084243. 

Grande abraço, 

 Psicólogo do Esporte Paulo Penha



Paulo Penha de Souza Filho

Psicólogo

Profº MSc. Paulo Penha de Souza Filho


É formado como Psicólogo pela PUC-PR, Mestre em Distúrbios da Comunicação pela UTP, Especialista em Fisiologia do Exercício pela UFPR, Especialista em Psicopedagogia pela UTP e Especialista em Psicologia do Esporte pelo CFP. Especializando em MBA Executivo em Gestão de Negócio pelo UNIOPET.


Gerente de Saúde Esportiva na Psiccom Saúde Integral (PSICCOM), onde também atende clinicamente. Palestrante e professor em cursos de pós-graduação. Coordenador do Grupo de Estudos em Ciências do Esporte (GECE). Integrante da Comissão de Psicologia do Esporte do Conselho Regional de Psicologia do Paraná e Membro Conselheiro da Associação de Psicologia do Esporte do Paraná - APEP.


Trabalha em clubes, academias, e no consultório com atletas amadores e profissionais.


@psicologodoesporte.paulopenha

Currículo Lattes Completo




Acesse também

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER

Quer receber conteúdos exclusivos e em primeira mão diretamente no seu e-mail?

Nós não enviamos spam

RÁDIO-TV PSICCOM

ACOMPANHE OS PROGRAMAS

2020 - PSICCOM. Desenvolvido por Cazoolo para inspirar novas conexões